Fundamentos do CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS

COMUNICAÇÃO COM O CLIENTE
INSPEÇÃO E DIAGNOSE
DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE


ESTRATÉGIAS NÃO QUIMICAS:  
• Higienização
• Sanitização
• Organização
• Manejo
• Remoção mecânica
• Conscientização
• Monitoramento
• Conscientização ambiental

ESTRATÉGIAS QUÍMICAS:  
 
   
O que usar:   Produtos idôneos registrados no Ministério da Saúde
Que formulação usar:   De acordo com o tipo e o grau de infestação, e as condições ambientais
Onde usar:   Nos locais de abrigo e/ou passagem de insetos e roedores, identificados na inspeção
Como usar:   Adequar a diversidade de equipamentos disponíveis
Com que freqüência usar:   A ser indicada pelo grau inicial de infestação e pelos relatórios de monitoramento

AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO:   
(controle de qualidade)   
• Pesquisas populacionais
• Laudos e Relatórios

Metodologia do CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS

No Controle Integrado de Pragas lançamos mão de diversos métodos e procedimentos, adequando-os a cada situação especificam, quais sejam:

Monitoramento: Procedimento que não utiliza-se de substâncias tóxicas, podendo ser praticado em qualquer área sem restrições e sem a necessidade de interdição de ambiente. Realizando inspeções técnicas detalhadas, utilizando armadilhas para identificar as pragas, seus locais de infestação, sua flutuação populacional, e alavancadas em um sistema de informações envolvendo o pessoal do cliente, planejamos e executamos nosso programa de Controle Integrado de Pragas;

Iscagem: Consiste na aplicação de iscas altamente atrativas em locais estratégicos, visando controlar as pragas e vigiar futuras reinfestações. Este procedimento dispensa que os locais sejam interditados, permitindo o trabalho técnico sem interrupção das rotinas próprias da empresa. O processo é muito seguro, pois não tem cheiro nem liberação de gases.

Método Químico: Dentro do programa de Controle Integrado de Pragas, utilizam-se também métodos químicos, com aplicação de inseticidas e raticidas domissanitários. Acatando os procedimentos acima descritos, a utilização de inseticidas fica bastante reduzida. Na aplicação de agentes químicos, utilizam-se procedimentos de micro pulverização e atomização, pincelamento, termonebulização e quelatoimunização, método este desenvolvido pelos técnicos da DETINSET.

Limpeza e desinfecção dos reservatórios: Inicia-se o processo de limpeza com o escoamento do reservatório e a remoção do material sedimentado. Em seguida as superfícies são escovadas e hidrojateadas com água e hipoclorito. A desinfecção bacteriológica através da adição de agente microbiocida, constitui um processo pratico e eficaz para o combate a microorganismos patogênicos. Finalizada a operação de limpeza, são telados e vedados os reservatórios para evitar possíveis contaminações.

Voltar